Stefan Vinas

Página sobre o músico e pai Stefan Vinas Bautista de Oliveira Salles

Nunca gostei de falar sobre mim mesmo me auto citando muitas vezes em conversas do dia a dia. Aqui vou tentar pensar e escrever algo sobre o cotidiano, vida e reflexões.

Sou de uma época em que as coisas eram bem diferentes de hoje em dia, aliás hoje é dia 07 de outubro de 2021. Lembro de um tempo onde era possível brincar na rua e era o que eu fazia depois das tarefas escolares e estudo. Eu amava futebol, isso mesmo. Afinal, toda criança daquela época sonhava em ser jogador de futebol por puro amor ao esporte porque não havia ainda tanta ostentação, pois os atletas não ganhavam tanto dinheiro quanto hoje. 

Nas férias eu ia para Santos, casa dos meus queridos avós, Sr José Maria Viñas San Pedro e Sra Maria Aparecida (não lembro o sobrenome da minha avó). Minha avó Cida como a chamáva-mos era a segunda esposa do meu avô que ficou viúvo cedo, pois minha avó materna morreu quando minha mãe tinha apenas 15 anos. Ela foi acometida de um câncer no cerebro doença essa que, de outra forma também levou minha mãe em janeiro de 2014. Não posso reclamar dessa época, ah..alí eu conheci o que é liberdade! Andar na mata, pescar, brincar no Forte da ponta da Praia, liberdade essa que hoje seria impossível aos 7,8 ou 10 anos de idade. Minha avó Cida me tratava muito bem, acho que eu nem merecia tanto e meu avô igual. Meu avô havia em algum momento da sua vida sido enfermeiro, então ele ajudava as pessoas da comunidade que era extremamente pobre inclusive sem saneamento básico. Lembro-me que o esgoto era a céu aberto e por isso eu sempre tinha umas infecções de pele quando ia pra lá, mas eu não tava nem aí porque a diversão fazia valer a pena.

Stefan Vinas
Do lado esquerdo está o Forte da minha éoca de criança totalmente abandonado, todavia ainda existiam lá 2 canhões do século XVIII que depois simplesmente sumiram. Em 1993 o Forte começou a ser percebido e hoje está revitalizado. Incrível como no Brasil não se dá nenhum valor para a cultura, história, artes e hoje em dia até a ciência é questionada. Mais abaixo e do lado esquerdo está o antigo campo de futebol em que eu jogava bola. Hoje há uma escola no lugar dele. do lado direito tem uma foto que lembra quando eu passeava com meu avô porque era a vista que eu tinha. Adoro aquel muro furado. Mais abaixo do lado esquerdo uma foto que lembra minhas férias do Pouca Farinha ou Bairro de Santa Cruz dos Navegantes. Era muito sujo, na havia coleta de lixo e era tudo depositado na praia, não havia saneamento básico, o esgoto estava por todo lado. Esse é o Brasil onde a maior parte do povo é pobre, mas também  invisível como dizem os governantes atuais.

Our Clients